Potter Heaven

[COLUNA] Fato número 7: Bruxos

Fatos Trouxas

É impossível me furtar de pesquisar exatamente sobre a base de toda fantasia de Harry Potter: os bruxos. O que seriam? De onde vieram? Algum já existiu?

Popularmente, bruxaria designa as faculdades sobrenaturais de uma pessoa, que geralmente se utiliza de ritos mágicos, com intenção maligna – a magia negra – ou com intenção benigna – a magia branca. É também utilizada como sinônimo de curandeirismo e prática oracular, bem como de feitiçaria.

O termo bruxo trás intrinsecamente a idéia de maldade e feitiços, mas entre os bruxos modernos (a vertente que realmente existe) um bruxo não é mal, é apenas um cultuador politeísta, que venera deuses e deusas existentes em suas crenças. Além disso, apenas feiticeiros praticam feitiços, sendo eles bruxos ou não.

Feitiços e feiticeiros não encontramos tão longe: nossos povos indígenas têm essa tradição. Geralmente o indivíduo mais velho da aldeia é tido como xamã ou pajé, que é quem executa feitiços, em geral de cura, a serviço da aldeia. Utiliza-se de cânticos e danças, em combinação com ervas (muitas vezes alucinógenas ou entorpecentes) para causar o efeito desejado.

Espalhados pelo mundo (Mágico e real) existem bruxos em todos os lugares. Ao se encontrarem pela primeira vez no expresso de Hogwats, Rony cita a Harry o nome de alguns, pois são figurinhas em embalagens de sapos de chocolate, tais como Morgana, conhecida da cultura britânica. Foi uma bruxa dotada de extraordinários poderes de cura. Diz-se que era meia-irmã de Arthur (o rei) mas que apesar disso sempre rivalizou com ele, roubando Excalibur (sua espada) e mesmo tramando sua morte. Rony citou também Paracelso, que nasceu em 1493, na Suíça, sob o nome de Phillipus Aureolus Paracelso. É considerado fundador da bioquímica moderna, por conseguir formular drogas administrada em doentes e por te conseguido, com uma espécie de vacina, controlar um surto de peste, em 1534.

Também Agrippa, uma das figurinhas raras cuja qual Rony não tem, era um médico, nascido na Alemanha em 1486. Heinrich Cornelius Agrippa também advogava e praticava terapias com base na fé. Fez tanto amigos quanto inimigos na sua vida e acerta altura foi acusado de feitiçaria. Em 1529, publicou Sobre a Filosofia Oculta, onde defendia que a melhor forma de conhecer a Deus era por meio da magia. A igreja declarou-o herege e o prendeu, morrendo aos 49 anos em 1535. Wolfgang Goethe, escritor também alemão, inspirou-se em Agrippa para escrever Fausto, peça na qual um homem da ciência faz um pacto com o diabo. Tal qual os Comensais e Voldemort. Além disso, Agrippa é um termo utilizado para designar um livro de magia muito especial, cortado no formato de uma pessoa.

Merlim também foi citado. Um dos mais sábios e respeitados bruxos de todos os tempos. Foi conselheiro dos reis britânicos Vortigern, Uther Pendragon e Arthur. Apesar da figura do conselherio poder ter realemente existido, o Merlim como conhecemos é puramente fictício. Marlim é mais conhecido por ter sido protetor e tutor de Arthur, escondendo-o, assim como Dumbledore fez com Harry até certo ponto. É atribuído a ele várias lendas, inclusive que fora ele quem colocou as pedras de Stonehenge em seus lugares, que poderia prever o futuro porque vivia ao contrário, do futuro para o passado, podendo assim prever o que acontecerá pois já vivenciou para saber. Dos muitos “fins” que Merlim tomou, um foi de ter sido aprisionado pela Dama do Lago, a qual amava, após ter sido enganada por ela: Ele próprio conjurou uma coluna mágica feita de ar que ela usou para aprisioná-lo.

Achou que J.K, mesmo com sua mente brilhante, tinha inventado tais referencias? Mais uma vez venho mostrar as prováveis bases de seu impressionante trabalho, e revelando, claro, a grandiosidade de seu conhecimento nos campos mágicos e factuais.


Comentários

3 comentários

Isa_SVHP
3 de dezembro de 2009 às 0:15

pODE ATÉ EXISTIR, mas num é igual a HP ='(

Lucy
7 de dezembro de 2009 às 10:52

Ótimo texto, Rafael. Bom pra esclarecer o pessoal que acha que a Antiga Religião funciona como a bruxaria do mundo de Harry Potter.

Ah, e como vc disse, a JK não tirou tudo da cabeça dela, não. Ricas referências históricas e lendárias construiram o mundo mágico que tanto gostamos. Abraço.

joao
19 de abril de 2010 às 22:50

acho que a feitiçaria faz parte da cultura europeia e nao acho demoniaco pois Deus criou a cultura de cada povo.