Potter Heaven

[COLUNA] A História do Príncipe

A Corça Prateada, Colunas

Eu sempre leio este pedaço do sétimo livro com crucial atenção em todos os detalhes, e vejo que realmente a personalidade de Snape muda muito ao passar do tempo. Não dá para reconhecer aquele menino inocente dos trajes estranhos que vemos no trecho sobra a infância do príncipe. Na época em que ainda não sabia o que iria acontecer no sétimo livro, eu, e muitos fãs, criamos certa raiva de Snape. Na verdade, desde o primeiro livro temos essa repulsa pelo sarcástico professor de poções que implica com tudo e é injusto com todos.

No capítulo “A História do Príncipe”, comecei a sentir algo muito diferente do que sentia antes (cabe até dizer que fui da água para vinho, ou neste caso, do vinho para água): comecei a sentir pena de Snape quando vi que ninguém compreendia o que realmente ele sentia por Lílian.

Quando percebi o afastamento do príncipe e da pequena Lílian fiquei chocado em ver como Snape mudou, depois que começou a andar com os “futuros comensais da morte”, e ela com “os marotos”; senti que naquele momento o afastamento dos dois não foi casual, e sim rancoroso; senti que naquele momento, mais uma história de amor ia para o fundo do poço: trágico.

Percebemos como o resto da vida de Snape foi intrigante e pavorosa, as mudanças que ele teve de fazer para pelo menos tentar salvar sua amada o deixaram confuso e sarcástico: foi no momento em que Snape perdeu seu amor que ele virou o sombrio príncipe das poções, aquele que vemos lecionando em Hogwarts de um jeito pavoroso e melancólico. Pensando assim, a história de Snape sozinha poderia virar um drama, não é?

Penso que a história de Snape poderia ser diferente, poderia ter tido finais felizes. Se seguirmos pelo lado obscuro, ele passou toda a sua vida “mentindo”, tanto para si mesmo, quanto para os outros. No sexto filme, vemos na cena do voto perpétuo a exata mentira bem sucedida de que estou falando. A interpretação do ator Alan Rickman não poderia ser mais perfeita, vemos naquele momento o exato Snape das mentiras, que se mostra oblíquo diante da situação.

Em alguns flashes da vida do príncipe, é possível ver que até o cenário não podia ser diferente, o que que nos leva ao momento que Snape se alia a Dumbledore: ele está em cima de uma montanha, teria lugar melhor para se imaginar a melancólica cena ali transmitida?

“A morte é apenas uma travessia do mundo, tal como os amigos que atravessam o mar e permanecem vivos uns aos outros […]” Esta frase não poderia ser melhor para retratarmos a morte de Snape, trágica e simples, fria e sem sentimento; até Harry, que não sabia que Snape não havia matado Dumbledore sentiu aquele pingo de pena.

Talvez os fãs esperem ansiosamente os filmes porque querem ver se realmente tudo isso será interpretado de uma boa maneira, e se essa maneira será tão trágica quanto a história do príncipe.


Comentários

7 comentários

Vítor
7 de fevereiro de 2010 às 22:36

Ah, mas se não colocarem a cena da História do Príncipe eu mato o Yates.

Jhenny
8 de fevereiro de 2010 às 8:28

eles realmente TEM que colocar,na verdade eles DEVEM colocar!

Mary
8 de fevereiro de 2010 às 13:52

eu acho q eles vão coloca para mostra q Snape era do bem e tbm pq no final quando o Harry vai luta ele fala tudo o q o Snape fez…
Eu adoro esse site..

Bjss

Gabi
8 de fevereiro de 2010 às 18:43

Acho que essa é a parte do livro que eu mais estou esperando no filme, se eles não colocarem eu vou ficar com MUITA raiva rs

Fábio
9 de fevereiro de 2010 às 12:39

Realmente a historia de Snape é muito triste ou a historia dos livros de Harry Potter são muito triste
essa é uma cena que nao deve faltar é essencial para o desenrolar da historia e espero que o XXXXXXXX do diretor coloque-a

nathalia
18 de fevereiro de 2010 às 18:33

odeio o yates! essa cena tem que ser colocada.

Larissa
22 de fevereiro de 2010 às 21:20

Adorei essa coluna… Vou continuar lendo sempre, e se o Yates não colocar esta parte, eu mato ele!