Potter Heaven

[COLUNA] Harry Potter X Religião

Caldo de Erumpente

Segundo Jehozadak Pereira, do site Aleluia, “a temática de Harry Potter é profundamente mística e inteiramente comprometida com bruxaria, feitiçaria e esoterismo, e é apresentada como literatura mimetizada em contos pueris, quando na realidade é perversa e advinda do inferno.” Em toda a série Harry Potter, Joanne Rowling não faz referências diretas a credos ou organizações religiosas.  Contudo, inúmeros grupos cristãos acusam a autora de pregar o paganismo. Diante disso, fica a pergunta: qual a real relação entre a religião e o mundo mágico de Harry Potter?

Sinceramente, não recordo de ter dado de cara com o substantivo “Deus” em trecho algum dos sete livros da saga potteriana. Harry, Voldemort ou mesmo a Sra. Weasley nunca foram vistos rezando, temendo ou adorando um ou mais deuses. Na verdade, nenhum dos personagens criados por Rowling jamais participou verdadeiramente de um ritual religioso ou declarou ser partidário de qualquer religião. E apesar da aparente ligação, a saga Harry Potter não prega o culto à Antiga Religião. Segundo o site Bruxaria.net, “achar que o que está escrito ali é Bruxaria de verdade é abusar demais da boa vontade dos pagãos.”

Embora essa ligação direta inexista, o mundo mágico de Harry Potter está repleto de traços culturais advindos da fé religiosa, como os festejos de natal e páscoa, por exemplo. Encontraremos também inúmeras referências a crenças da Idade Média e a mitologia em geral – principalmente a grega -, característica que enriquece e dá consistência à obra de Joanne (sem isso, o mundo de Harry Potter não seria tão plausível). E embora não trilhe pelo caminho de nenhuma religião, a saga não nega a vida após a morte. A autora deixa pistas de que as pessoas prosseguem para uma nova etapa depois de mortas, apesar de não esmiuçar os segredos da morte (a conversa entre Nick e Harry no quinto livro, pág. 694, deixa isso bem claro).

Ao encarar as bases mitológicas de Harry Potter, alguns líderes protestantes e católicos pensam estar descobrindo as raízes demoníacas da obra de Rowling, mas não poderiam estar mais equivocados: a moral dos livros não fere aos mais importantes preceitos cristãos. A saga nos ensina o respeito ao próximo, a amizade e a lealdade, não é verdade? Apimentando essa discussão, o ator Daniel Radcliffe, intérprete de Harry Potter nas adaptações para o cinema, disse não acreditar em Deus, “mas na evolução”. Do lado católico, o sacerdote italiano Francesco Bamonte e o padre austríaco Gerhard Maria Wagner dispararam que Harry Potter induz ao satanismo. Mais recentemente, o Vaticano elogiou o filme Harry Potter e o Enigma do Príncipe, ressaltando que o longa esclarece que o bem deve prevalecer sobre o mal.

Para concluir, vale lembrar que Dumbledore sempre disse que Harry tinha um trunfo em relação a Voldemort. Durante toda a série, Rowling enfatiza uma coisa que está acima de todas as religiões: o amor. Esse sentimento supera dogmas e rituais, sejam eles quais forem. É o amor que conduz Harry Potter à luta contra Voldemort e é o amor quem o faz triunfar. Eu só não entendo como isso poderia soar demoníaco…

Luciana Barbosa
é colunista da PH e Designer Gráfica. Tem um quê de Severo e um bocado de Luna.

Comentários

5 comentários

Lucas
11 de agosto de 2009 às 12:52

Eu tambem concordo com o que você escreveu. E ainda ouso dizer que, se a obra remete ao paganismo, o que há de mal nisso? Quem foi que disse que a religião certa é a cotólica e essas tantas outras? Se essas religiões forem mesmo as certas, então todo (ou quase todo) o lado oriental do nosso planeta e suas respectivas culturas (o que se inclui aí as religiões) é inferior ao lado ocidental. O QUE DEFINITIVAMENTE É EQUIVOCADO, para não dizer outra coisa…

Aposto que lá no japão, china, india, os livros de Joanne não são considerados nada disso, sobre serem demoniacos. Essa cultura (essa sim inferior) de recriminar e condenar outras fomas de cultura e de pensamento que divergem do que é moldado, pré-estabelecido, é uma velha e idiota mania que infelizmente sobreviveu à idade média. É uma pena.

Rafael Artemis
11 de agosto de 2009 às 16:40

O simples fato de uma história fictícia tocar mais as pessoas do que os fatos ocorridos na Bíblia, deve ser o motivo para tais pressupostos de quem se diz cristão…
Mas o prórprio Jesus sustentava sua sabedoria em fatos ficcionais: suas parábolas.

Entretanto, nada realmente justifica tal associação. Quem vem sempre ao PotterHeaven sabe que escrevo em minha coluna sobre os prováveis lugares de pesquisa que J.K.R. para compor sua história. Posso dizer que há uma base na mitologia grega, romana e egípcia quase que 100%, se somadas. Tais mitologias vieram muitíssimo antes de qualquer tipo de cristianismo, por conseguinte, antes de qualquer satanismo…

J.K.R. nao é a primeira e nem será a ultima a ser alvo de tais críticas… J.R.R. Tolkien, Walt Disney, The Beatles… todo artista que atinge a massa é sempre posto a prova por tais acusações de quem, provavelmente, quer tirar para si alguma vantagem.

“A maldade está nos olhos de quem vê”. E como diz no texto: se Harry é movido pelo AMOR, que tipo de olhos conseguem ver maldade nisso?

F
13 de agosto de 2009 às 16:03

eu acho isso um absurdo!
não tem pra quer escrever isso
“vocês não entendem que é apenas um filme?”
Se não entendem,então,por que ficam sempre falando para as crianças “não tenha medo dos filmes de terror,eles não são reais!” ou “Não tenha medo do escuro,não tem nada lá!”

F
13 de agosto de 2009 às 16:04

eu estou falando da noticia e não dos comentários!

Ana Paula
25 de fevereiro de 2010 às 22:50

como o rafael disse, que olhos verão maldade em amor?