Potter Heaven

Relíquias da Morte é o melhor livro da década, segundo o Telegraph

Harry Potter e as Relíquias da Morte

Se de acordo com o jornal Times Online Harry Potter e as Relíquias da Morte fica em 17º lugar quando o assunto é o melhor dos livros lançados nos últimos dez anos, o Telegraph coloca o último episódio da série no topo, como o melhor livro da década entre 100 livros.

Veja o que o jornal comentou sobre Relíquias e o trabalho da autora J.K. Rowling:

Se você ainda não sabe o que é um trouxa, você é igual a Rip van Wingle [que dormiu por 20 anos] ou é um grande cabeça-dura. Este é o sétimo e último volume da série sobre Harry Potter, o bruxinho mais famoso do mundo por sua cicatriz em forma de raio e por suas complicações com Lord Voldemort, que bateu todos os recordes.

Vimos Harry crescer em um estalo, de menino de cabelos desarrumados aos 11 anos para um heróico jovem adulto. Crianças cresceram com ele, achando, nas batalhas metafóricas dele, as suas próprias batalhas. Este volume sozinho vendeu 15 milhões de cópias nas primeiras 24 horas depois de sua publicação.

Quer seja “espetando-o” no subúrbio ou o levando-o a um perigo mortal com Rony e Hermione, Rowling nunca é inferior na absorção de idéias. Alguns podem até desdenhar dos livros, mas eles são triunfantes sagas sobre vencer o mal, que deixam para trás a nossa fome por histórias básicas. Mais importante, ela fez com que ler um livro de 700 páginas se tornasse fácil. Este até tem uma citação de Aeschylus no seu epígrafo. É como uma base da década, uma mistura da alta e da baixa cultura que agradam todas as idades e nações.

Em segundo lugar na lista ficou o livro Dreams from My Father, do presidente americano Barack Obama, e fechando o pódio dos três melhores livros da década, O Código da Vinci, de Dan Brown. Para conferir a lista na íntegra, clique aqui.

Bruno Longbottom
está na Potter Heaven há cinco anos, e hoje é editor do site. Corvinal, Jornalista, Cinéfilo apaixonado, não vê testralhos e não sabe voar de vassoura. No twitter, é o @bmaranhas.

Comentários

Os comentários estão indisponíveis