Potter Heaven

Primeira crítica da Potter Heaven de Relíquias da Morte – Parte 2

Destaque, Filmes

Como muitos de vocês devem saber, aconteceu ontem (8), na cidade de São Paulo, a cabine de imprensa de Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2, sessão reservada para críticos de cinema, jornalistas e representantes de fansites aqui do Brasil. Quem nos segue no Twitter (em @PotterHeaven) já deve saber que enviamos para a ocasião uma representante da equipe do site (e que também é estudante de Cinema), a Ana Doring. Pois bem, trazemos aqui a primeira crítica de Relíquias da Morte – Parte 2 escrita pela Potter Heaven. Mas atenção, se você não quer saber detalhes sobre o ritmo do longa metragem, ou a forma como as passagens do livro foram trabalhadas no filme, aconselhamos que espere até dia 15 de Julho.

Crítica de Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2
Potter Heaven | Por Ana Doring

Fãs de Harry Potter sempre tem histórias para contar: as inúmeras horas em filas – de cinemas ou de livrarias -, os amigos que surgiram por causa da série, aonde estavam quando tal livro foi lançado, com quem assistiram a estréia de cada filme, a qual casa pertenceriam e porquê. Mas, principalmente, muitos sempre falam quantos anos tinham quando conheceram a série. Esse sempre me pareceu um fato curioso, porque não é toda série que acompanha uma geração inteira (eu mesma conheço a série há dez anos), que é capaz de se sustentar por tanto tempo. Então, como dar o desfecho merecido à toda essa geração com a adaptação para os cinemas do último livro?

Esta segunda parte de Relíquias da Morte já se apresenta como diferente quando não se ouve a habitual música-tema que acompanha o logo da Warner Bros. e, Hogwarts, que não aparece na primeira parte, e não é mais um lugar seguro: escura, envolta pela neblina, cercada de dementadores, e sob comando de Severo Snape. Os alunos vestidos nos uniformes de Hogwarts andam enfileirados, encurralados na ditadura imposta na escola, vazia e silenciosa, transmitindo a atmosfera de terror, e de desalento que se instalou no mundo bruxo.

Ainda assim, as cenas grandiosas não demoram a aparecer, e a primeira sequência é de encher os olhos. Quando Harry, Rony e Hermione (disfarçada como Belatriz Lestrange; Helena Boham Carter em um dos pouquíssimos alívios cômicos do filme) decidem invadir Gringotes com a ajuda do duende Grampo, o banco é grandioso, branco, frio, num enorme contraste com o subterrâneo escuro por onde os três são conduzidos até o cofre de Belatriz, guardado por um dragão incrivelmente real. E essa é a primeira cena em que se pode perceber que o 3D, apesar de convertido, funciona muito bem – toda a sequência com o dragão destruindo Gringotes em busca da saída é impecável.

E, em se tratando de tornar real, os feitiços tem um papel importante aqui. Eles são apresentados muito mais visíveis, palpáveis e característicos. Como a Maldição Imperius usado no duende em Gringotes, que parece uma brisa inebriante, ou quando a proteção ao redor de Hogwarts é quebrada e um dos sequestradores brinca com um “pedaço” dela. É uma forma de dar vida à batalha, de tornar visual as armas que os bruxos possuem e o que elas são capazes de fazer. Assim como as mortes são muito mais explícitas, não só por haver a necessidade de amarrar alguns personagens, mas por se tratar de uma guerra. E, sim, somos perfeitamente bem ambientados em uma: Lord Voldemort anda pela Mansão dos Malfoy, por entre corpos e chão ensanguentados, o lobo Greyback atacando uma criança em uma muito bem construída sequência que acompanha Harry, Rony e Hermione pela Hogwarts em guerra, já destruída.

Em meio a Batalha de Hogwarts, os personagens importantes desse último capítulo vão tendo seus desfechos, seus papéis a desempenhar, surpreendentes ou não. Para os fãs, David Yates constrói o momento e te deixa entendê-lo, um pouco antes de atirar a morte de um personagem importante que seja. O corpo de Fred Weasley estirado no chão, com a família Weasley ao redor, Lupin e Tonks, a professora Trewlaney anunciando a morte de uma aluna, e o Salão Principal se transformando em uma enfermaria. Nosso olhar não é poupado, como aconteceria em filmes anteriores.

Mas, o grande drama gira ao redor de Snape, Voldemort e Harry. As memórias de Snape são uma leve surpresa pela fotografia diferentíssima do resto do filme, mas essas primeiras cenas em que é situada a relação de Snape e Lilían não se demoram muito, e logo as memórias ficam tão escurecidas quanto Snape se tornou, chegando então àquela que decidirá o caminho de Harry. E, aqui, falando como fã, a cena da Floresta Proibida em que o pomo de ouro se abre e revela a Pedra da Ressureição, é lindíssima. Aqui, assim como na maior parte das cenas importantes, os personagens tem falas idênticas ou muito próximas do que é dito nos livros. O final da Batalha é corrido, cheio de cortes que mostram Harry e Voldemort, Rony e Hermione, Neville e a Espada de Godric Gryffindor, Sra. Weasley e Belatriz, Draco, Lúcio e Narcisa… É onde todos esses personagens fazem suas escolhas, é o ápice da Batalha e o grande final de Harry e Voldemort.

Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2 é acelerado, triste e emocionante. É executado com maestria. Fiel ao livro, consegue realizar o que promete: um final épico para a série que marcou toda uma geração. É um filme digno do público, um filme para aqueles que acompanharam Harry até o fim, e para quem a magia não vai acabar.

Faltam cinco dias para Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2!

Bruno Longbottom
está na Potter Heaven há cinco anos, e hoje é editor do site. Corvinal, Jornalista, Cinéfilo apaixonado, não vê testralhos e não sabe voar de vassoura. No twitter, é o @bmaranhas.

Comentários

11 comentários

Igor John Lupin
9 de julho de 2011 às 17:47

Adorei.
Entre as dos fã-sites, achei esta a mlhor crítica!

everton spence
9 de julho de 2011 às 18:16

ai deus meu acabei de ter um infarte…. e para os idiotas que ficam lutando para ser o primeiro a comentar vão para o INFERNO isso aqui são informações não uma competição….

Vinicius
9 de julho de 2011 às 18:35

Adorei a critica. Achei muito profissional e bem estruturada.
Parabéns, PH.

Zé Picelli
12 de julho de 2011 às 1:25

Fiquei curioso para saber do epílogo. Nenhum site sequer fez menção a cena, comentando a maquiagem e o envelhecimento dos atores (se foi satisfatório ou não). Será que não podem comentar sobre? o.O

Ana
12 de julho de 2011 às 23:59

@Zé Picelli: Zé, o epílogo é satisfatório, sim. A maquiagem funcionou pra todos eles, é convincente e emociona como todas as outras cenas importantes do filme. O crítico Pablo Villaça comenta o epílogo no videocast dele, se quiser ver: http://www.youtube.com/watch?v=V2XMfMunJII

Lucas Nascimento
13 de julho de 2011 às 18:21

Amanhã, eu fui um dos fãs Brasileiros escolhidos para a premiere oficial para fãs em S. Paulo. E não vejo a hora de assistir o filme! Muito boa a crítica. Pegou bem os lances entre o livro e o filme que ainda vou assistir!

Ana Carolina
13 de julho de 2011 às 22:52

Tambem queria saber sobre os “19 anos depois”, como foi a cena?

leone samuel
14 de julho de 2011 às 23:51

pra mim harry potter nunca acabara.porque nunca saira da minha memoria dos os momentos emocionantes do filme isso pra mim é eterno.

Fernando Coelho
15 de julho de 2011 às 17:41

Adorei o filme e com certeza foi o melhor da série e continuaremos com Harry sempre em nosso pensamento. Valeu demais ir na pré-estréia e devo ver novamente. Falei mais do filme no blog: http://temumcoelhonocinema.blogspot.com/2011/07/harry-potter-e-as-reliquias-da-morte.html

Pedro Henrique
15 de julho de 2011 às 20:16

GENIAL essa crítica, Ana. Deu pra notar que você aprendeu bastante com o Pablo Villaça. Ela tá muito redigida e bastante impessoal, o que é importante nesse ramo. :)
Continue assim, tá muito bom.
Beijos :*

Andreza potter
16 de julho de 2011 às 8:41

Eu nem acredito que foi lançado o último filme da série Harry Potter…Mas a magia dos personagens e dessa história incrível jamais vai ter um fim,J.K.Howling é simplismente um gênio,eu cresci assistindo os filmes,passei a infância me inspirando nas histórias do Harry e de seus amigos para escrever,e hoje uso meu blog para falar sobre minha paixão por esse mundo tão maravilhoso,graças à Howling descobri minha paixão pela escrita,além de escrever no blog também tenho um caderno onde escrevo textos e músicas…Só tenho uma coisa a dizer à essa escritora incrível: OBRIGADA…